Idade Maior

Alimentos que melhoram o humor

, 3 comentários

E que o deixam muito, mas muito bem disposto.


Leite


O leite é fonte de tripotofano, fundamental na formação da serotonina, ligada ao bem-estar.
Alface


Tem um efeito calmante, graças à lactucina presente no talo da planta. O miolo é rico em lítio,que age diretamente no controle da ansiedade e da depressão.
Ovo


A gema do ovo é rica em vitaminas A, D e do complexo B, as quais só estão presentes no ovo, gordura do leite e fígados dos animais. Ainda se pode dizer que o ovo é rico em minerais, nomeadamente fósforo, ferro e zinco. A clara do ovo é a porção mais saudável, de digestão fácil, pelo que nunca deve ser desperdiçada. Melhora a cognição, a coordenação motora e a sensação de bem-estar.
Pimenta


Aumenta os níveis de endorfina, substância associada ao prazer e bem-estar. A pimenta-de-cheiro, a vermelha e a malagueta são as melhores.
Espinafres


O ácido fólico e vitamina B atuam no sistema nervoso, na formação da serotonina e no combate ao stress. Para além disso, as folhas verdes têm clorofila que desintoxicam o corpo.
Banana


A banana fornece uma reserva instantânea de energia. Pesquisas provam que 2 bananas dão energia para 90 minutos de trabalho pesado, o que o torna o fruto mais consumido entre os atletas. Além disso, a banana ajuda a prevenir um substancial número de doenças. De acordo com recentes estudos, a maioria das pessoas que habitualmente sofrem com depressões sentiram-se melhor depois de comerem uma banana. Isto acontece porque a banana contém um tipo de proteína que o corpo converte em serotonina, substância que ajuda a relaxar e faz sentir melhor.
A alimentação influencia diretamente a nossa saúde, tanto para bem como para mal. E não apenas pela ingestão de alimentos que engordam ou são prejudiciais à saúde, mas também porque influenciam o nosso humor. Aliás, todos nós sabemos que comer chocolate favorece o humor.

Mas, este não é o único alimento que influencia o nosso estado de espírito. Existem outros alimentos com efeitos instantâneos na nossa disposição, com a vantagem de serem mais nutritivos e menos calóricos.

Os alimentos não podem curar as depressões mas, a influência de alguns nutrientes na química cerebral está provada. Alguns produtos provocam uma sensação de bem estar, ao passo que outros podem contribuir a sensação oposta.

Tudo aquilo que sentimos e pensamos resulta de impulsos nervosos no cérebro, impulsos esses que ocorrem através de substâncias, conhecidas como neurotransmissores. A serotonina é um desses neurotransmissores e a sua deficiência tem sido há muito associada à depressão e à ansiedade.

Muitos dos antidepressivos atuam exatamente na recaptação da serotonina, aumentando assim a sensação de bem estar. Estes antidepressivos, utilizados atualmente, são inibidores seletivos de recaptação da serotonina, ou seja, são medicamentos que permitem a disponibilidade e produção de serotonina gerando, assim, uma sensação de bem-estar.

Assim, há que garantir que a alimentação forneça suficiente triptofano e vitamina 6.

O triptofano (aminoácido) existe nos alimentos ricos em proteínas como o perú, a perdiz e o requeijão (são três fontes particularmente ricas) mas também na carne magra em geral, no peixe, nos ovos, lacticínios magros e leguminosas.

Alimentos com maior quantidade vitamina B6: as carnes, peixe, ovos e o fígado e, em quantidades ainda razoáveis, os cereais integrais, amendoins, batatas, couve lombarda, ervilhas e bananas.

Existe também uma correlação entre algumas vitaminas do complexo B e a depressão. Em especial as vitaminas B12 e ácido fólico têm um papel importante na transmissão de certos impulsos nervosos.

A vitamina B12 pode ser encontrada na carne, peixe, ovos, leite e derivados. No entanto, existem alimentos enriquecidos (alguns cereais, bebidas, etc.). O ácido fólico encontra-se no fígado, nos legumes de folha verde escura (espinafres, brócolos, couves, etc.), nos cereais enriquecidos, frutos secos e leguminosas.

O Ómega-3 é considerado um remédio natural para tratar a depressão e encontra-se nos óleos de peixe, nas sementes de linhaça e nas nozes.
3 comentários